aktuell 139

ARTIGO ESCRITO POR

A DRS Alliance

Um sistema aberto para moldarmos juntos o futuro da ferrovia

ARTIGO ESCRITO POR

Luc Vansteenkiste,
Consultor na Luanconsult

A gestão de ativos no setor ferroviário é um processo que, tradicionalmente, é feito de forma manual e, muitas vezes, de “maneira artesanal”.

Além disso, até uma década atrás, a gestão de ativos ainda não era vista como um processo que pudesse agregar valor à rede ferroviária, fosse aumentando a confiabilidade da rede ou estendendo os tempos de serviço.

Em 2011, fui convidado para assumir a responsabilidade pelo Departamento de Infraestruturas Globais da INFRABEL (empresa belga de serviços de transporte ferroviário). Era óbvio que tínhamos que introduzir processos digitais que possibilitariam o avanço da empresa e, posteriormente, de toda a indústria. Foi disponibilizado um orçamento para a manutenção da rede utilizando tecnologias digitais. Isso não apenas nos ajudou a reduzir custos, mas também a tornar os ativos da rede ferroviária mais seguros, confiáveis e disponíveis.

Além da gestão de ativos digitais com aplicativos ERP (Enterprise Resource Planning), a Infrabel introduziu:

  • Tablets, processos digitais e check-lists para manutenção, reduzindo em mais de 25% a necessidade de manutenção manual.
  • Ativos com inteligência integrada (normalmente ativos de sinal ou outros ativos que fazem uso extensivo de tecnologia PLC ou de sensores inteligentes).
  • Dumb assets (geralmente ativos lineares) em dispositivos de medição da via, sensores e drones que precisam ser monitorados por trens de medição.

O projeto acabou dando muito certo e conseguimos alcançar:

  • Redução dos custos de manutenção em mais de 15%, eliminando a necessidade de intervenção humana.
  • Maior segurança, confiabilidade e disponibilidade.
  • Melhor gerenciamento de custos do ciclo de vida dos ativos por meio de manutenção otimizada e de dados de ativos em tempo real de maior qualidade, permitindo a substituição do ativo no momento certo.
  • Aumento da capacidade da rede, pois menos canais horário ferroviários são ocupados em virtude de trabalhos de manutenção (inspeção, manutenção preventiva e corretiva).

Por fim, ocorreu a transição para a manutenção preditiva e o gerenciamento inteligente de ativos.

Perspectiva

A DRS Alliance (Digital Rail Solutions Alliance) é uma iniciativa totalmente alinhada com a visão e o objetivo que venho seguindo desde que me tornei Diretor Geral de Gestão de Ativos da Infrabel em 2011.

O futuro da mobilidade dependerá fortemente do transporte ferroviário e da infraestrutura ferroviária existente. A Comissão Europeia (Comissão da UE) manifestou-se a favor de duplicar o tráfego de mercadorias e de triplicar o tráfego ferroviário de alta velocidade até 2050. Ao implementar essa estratégia, a Comissão da UE fará uma mudança sustentável em favor da mobilidade com zero emissões, tornando o sistema de transporte ferroviário mais eficiente e resiliente.

A digitalização do setor ferroviário e a inovação nessa indústria devem abrir o caminho para mais segurança e uma melhor capacidade com a utilização mais eficiente da infraestrutura existente. Mais e mais fornecedores estão desenvolvendo e entregando produtos e serviços digitais. Isso representa um desafio ímpar de tornar essas ofertas consistentes.


DRS Alliance

A DRS Alliance é uma aliança que tem o objetivo de promover e coordenar o desenvolvimento de soluções de ponta a ponta (E2E) abrangentes. A indústria ferroviária precisa dessas soluções para atingir esses objetivos por meio da otimização da capacidade da infraestrutura existente com a ajuda de manutenção preditiva, robotização e aumento da segurança. A abordagem da DRS Alliance é importante, pois nenhuma organização hoje pode fornecer sozinha as soluções que a indústria ferroviária precisa para atingir esses objetivos. A DRS Alliance é um sistema que reúne conhecimentos de diferentes disciplinas necessárias para fornecer os serviços E2E. Além disso, a aliança garantirá a necessária interconectividade das soluções, promoverá uma visão comum e apoiará o setor ferroviário nesse processo de mudança com soluções digitais. A transição para um sistema aberto para todos os participantes existentes e futuros contribuirá ativamente para o futuro dos sistemas ferroviários digitalizados, bem como permitirá que todos os parceiros desenvolvam soluções duradouras para o setor ferroviário global.


O setor ferroviário global está evoluindo rapidamente para cumprir seu papel como solução de mobilidade sustentável do futuro. Muitas iniciativas estão sendo criadas atualmente, todas apoiadas por grandes programas de digitalização. A introdução do European Train Control System (ETCS) e da Automatic Train Operation (ATO) aumentará ainda mais a segurança e a eficiência do transporte ferroviário. O Timetable Redesign Project (TTR), um projeto europeu liderado pela RailNetEurope (RNE), está atualmente em andamento. O objetivo é adaptar o processo de atribuição de capacidade mais ao mercado, com menos perda de capacidade devido a canais horário ferroviários não utilizados. O custo do projeto está estimado em 700 milhões de euros, mas trará grande valor agregado ao setor. Estima-se que o projeto TTR adicionará 4% de capacidade. Assim, será possível economizar 16 bilhões de euros que, de outra forma, seriam investidos em novas capacidades físicas.

O desafio para a DRS Alliance é apresentar um caso de negócios semelhante e garantir que haverá um ganho de, pelo menos, mais 4% de capacidade. Isso deve ser alcançado evitando perdas de capacidade em razão de medições, de medidas de manutenção ou de mau funcionamento da infraestrutura que causam interrupções.

O objetivo final da digitalização é propiciar ao setor ferroviário global valor agregado tangível e mensurável por meio de maior disponibilidade e segurança da infraestrutura.

A DRS é uma iniciativa totalmente alinhada com a visão e o objetivo que venho seguindo desde que me tornei Diretor Geral de Gestão de Ativos da Infrabel em 2011. Estou convencido de que a DRS Alliance é o caminho certo para atingir esses objetivos e que ela ajudará a Deutsche Bahn a cumprir seu papel essencial como solução de mobilidade do futuro.